Divã em série


- Mas então, como você acha que ele te vê? 

Silêncio....

- Acho que de uma forma normal.

- E como você lida com isso?

- Como se eu regasse uma flor todos dias...


A primeira vez...

Convido meu leitor a ler essa pequena narrativa e a seguir, ouvir essa música que me motivou a escrever sobre isso...

Feche seus olhos e volte a uma pequena cidade perdida no tempo.
Era uma típica noite de sábado. Todos estavam às ruas, famílias inteiras, casais a namorar. 
O tempo passava devagar para aquele pessoal simples se divertindo na praça.
Uma praça, um coreto, uma pequena igreja com sua torre iluminada, uma fonte! Uma leve brisa pairava por aquela noite de verão. O pouco que soprava, misturava aromas de comidas variadas, doces, salgados, bebidas... mais à frente, perfumes! Doces, amadeirados... flores sem fim! Haveria cenário mais bucólico?
Em meio as mais variadas barracas de guloseimas e brincadeiras, as crianças corriam displicentemente. Gargalhavam sem pensar em mais nada.
Ao lado da fonte um senhor sorridente tocava seu realejo... “ quer saber sua sorte ? ” E piscava para seu pássaro que olhava a todos como se entendesse tudo... ouso dizer senhores que ele entendia mais do que se passava ali do que qualquer um.
Em um canto mais reservado da praça, vinham nossos personagens principais, caminhavam como se o mundo parasse ao redor deles e nada nem mais ninguém estivesse ali. O momento era deles...
Estranhamente, caminhavam lado a lado, mas não se esbarravam tanto. 
Ele, elegantemente vestido para ocasião, com sua camisa estampada e seu terno abotoado, lenço na lapela, cabelos longos, mas bem penteados. Um perfeito cavalheiro com sua singela displicência de cores. Ela, um deslumbre de guria.  Seus cabelos soltos em longas madeixas, caiam pela renda do seu vestido levemente acinturados, com um laço de fita azul. Seus olhos reluziam de contentamento.
Tudo seguia normalmente e pasmem, não sei como achavam tanto assunto. Em meio a dezenas de:
– Boa noite Senhores! Boa noite Senhoras! Eles iam caminhando e rindo, sorrindo e caminhando... na ordem que mais apreciar o leitor.
Comiam tudo feito duas crianças, doces, salgados refrigerantes... vez ou outra tocavam-se. Mas era pequenos esbarroes, quase imperceptíveis. Mas tão significativos que o mundo parecia parar.
Em meio a caramelos e guaranás, eles param para a pose do lambe-lambe! Um chapéu arranjado, um ramo de flores artificiais e estava lá aquele doce momento eternizado.
Em determinado instante, ele olha para o lado e corre a puxar a mão dela, que se surpreende com o gesto. Ele para em uma barraca de brincadeiras e já joga uma argola e seu prêmio nada mais é que um porta retratos. Em segundos ele abre e coloca a foto acabada de tirar e tomando-lhe as mãos entrega o mimo dizendo... - Agora sim, nosso passeio está completo! Eternizado.
Daquele momento em diante, numa das mãos ela carregava seu presente e na outra mantinha a mão dele bem presa para nunca mais soltar.
Anos depois na casa que fora deles, uma pessoa descuidada deixa cair o velho porta retrato, fazendo com que seu vidro se quebrasse e a foto caísse para fora. Atrás, os pequenos dizeres:


Este foi o dia que peguei em sua mão, pela primeira vez. “ Com amor...”



*https://soundcloud.com/viniciusdiaszurlo/paquerinha-vinicius-dias-zurlo










Sem título.

Lá estava eu, sentada em minha mesa preferida, do meu café preferido, em meu momento de ócio preferido: Olhar as pessoas à minha volta. E sempre no mesmo dia, lá vinha ela, altiva...mal olhava para os lados!
Parece que fazia questão de passar, esnobar, fingir que nada a atingia.
Vestia-se de preto, couro, batom vermelho! Nem te ligo.
Mas eu cada vez que a via, ousava pensar: puro disfarce!!!
Quando ela passava e eu estava a me perder em meus pensamentos, ficava a imaginar o por quê de tudo aquilo.
Será que teria passado por problemas na infância? Não, não acredito!
Mas eu diria, em uma pequena análise talvez, até porque nem a conhecia que ela fazia aquilo apenas para se resguardar do mundo. EU me basto. Eu me sirvo. Quando na verdade, ela queria dizer ao mundo. Eu estou aqui, me basto, mas preciso de outras coisas, eu me sirvo, mas preciso as vezes também ser servida.
Mas será que eu não estava enganada? E então, como se o céu se abrisse, sim, porque de narrativas lamuriosas o mundo já está farto, uma cena me para:
Lá estava ela quase a dobrar a esquina, com a sua cara de poucos amigos, quando um gato negro e de olhos penetrantes, salta em frente dela, deixando a estática. Pensei, ela vai arremessar o bichano e por alguns segundos pensei em fechar meus olhos..mas não, eu não poderia perder esse desfecho.
Boquiaberta, parei e vi a cena que para mim, dizia: Eu sabia!!
Em um segundo o bicho estava sendo afagado em seu colo, beijado, agarrado e distribuindo lambeijos por toda a cara de batom vermelho dela.
Sim, por trás daquela carapaça sim, existe uma pessoa normal, sensível e meiga que apenas se defendia das tiranias do mundo por que assim era pra ser...

Volto pro meu café e pra outros pontos, quem seria o próximo a ser analisado?